sexta-feira, 27 de março de 2009

Língua Portuguesa - Ensino Médio - 2o ano regular


AS CLASSES GRAMATICAIS

Existem, na língua portuguesa, dez classes gramaticais, cada uma delas exercendo uma determinada função, sendo seis variáveis (substantivo, adjetivo, artigo, numeral, pronome e verbo) e quatro invariáveis (advérbio, preposição, conjunção e interjeição).


O Substantivo


O DIAMANTE – Fernando Sabino (fragmento)

Em 1933 Jovelino, garimpeiro no interior da Bahia, concluiu que ali não havia mais nada a garimpar. (...) Jovelino já não via jeito de conseguir com que prover o sustento da família e resolveu se mandar para Goiás, onde Anápolis, a nova terra da promissão, atraía a cobiça dos garimpeiros de tudo quanto era parte, com seus diamantes reluzindo à flor da terra. Jovelino reuniu a filharada e, com a mulher, o genro, dois cunhados, meteu o pé na estrada. (...)
Vai daí Jovelino chegou aos arredores de Anápolis depois de muitas luas e ali se estabeleceu, firme no cabo da enxada, cavando a terra e encontrando pedras que não eram diamantes. Daqui para ali, dali para lá, ano vai, ano vem, Jovelino existia de nômade com seu povinho cada vez mais minguando de fome.


Substantivo é a palavra com que designamos ou nomeamos os seres em geral(...). Do ponto de vista funcional, o substantivo é a palavra que serve, privativamente, de núcleo do sujeito, do objeto direto e do agente da passiva. Qualquer palavra de outra classe que desempenhe uma dessas funções equivalerá, forçosamente, a um substantivo(pronome substantivo, numeral ou outra palavra substantivada).”(Celso Cunha)


Flexão dos Substantivos

O substantivo varia em gênero, número e grau.

a) GÊNERO(masculino/ feminino).

Quanto ao gênero, os substantivos podem ser:

BIFORMES – apresentam duas formas: uma para o masculino e outra para o feminino.
Gato/gata, aluno/aluna, homem/mulher.

A mudança de gênero pode ser marcada pelas desinências a/o ou pela alteração do próprio radical(substantivos heterônimos).


UNIFORMES – apresentam uma única forma para os dois gêneros: jacaré, dentista, vítima, testemunha...

Os substantivos uniformes podem ser:

Epicenos – designam animais de ambos os sexos: jacaré, cobra, onça, peixe.

Comuns de dois gêneros – designam pessoas. A distinção entre masculino e feminino é feita através do artigo ou de outra palavra determinante.: o artista/ a artista; aquele jornalista/ aquela jornalista ; jovem bonito/ jovem bonita.

Sobrecomuns – apresentam um só gênero gramatical para designar pessoas de ambos os sexos: a testemunha, a criança, o cônjuge, a vítima.

Obs.: Gênero gramatical e sexo dos seres não é a mesma coisa.

Caneta é um substantivo feminino; o objeto, todavia, não possui sexo. Testemunha é um substantivo feminino apesar de designar pessoas de ambos os sexos. Jacaré é um substantivo masculino. Para distinguir o sexo do animal(não do substantivo), usamos as palavras macho ou fêmea.


Há substantivos que quando mudam de gênero, mudam de sentido:

o cabeça(chefe) a cabeça(parte do corpo)
o rádio(aparelho) a rádio(estação)
o lotação(veículo) a lotação(capacidade)

b) NÚMERO(singular/plural)

Os substantivos flexionam-se em número, podendo estar no singular ou no plural.

Há, no entanto, alguns substantivos que só são usados no plural: os anais, as cócegas, as condolências, as custas, as férias, as fezes, as núpcias, as olheiras, os parabéns, os pêsames, etc.

c) GRAU(normal, aumentativo, diminutivo).

A indicação de grau aumentativo ou diminutivo pode ser feita por dois processos: analítico ou sintético.

Formação e Classificação dos substantivos

Quanto à sua formação, o substantivo pode ser:

a) primitivo
b) derivado
c) simples
d) composto

Quanto à classificação, o substantivo pode ser:

a) comum
b) próprio
c) concreto
d) abstrato

Dentre os substantivos comuns, merecem destaque os coletivos que, mesmo no singular, designam um conjunto de seres da mesma espécie.


Metafonia

Há muitos substantivos cuja formação do plural não se manifesta apenas por meio de modificações morfológicas, mas também implica alteração fonológica. Nesses casos, ocorre um fenômeno chamado metafonia (mudança de som entre uma forma e outra).

Singular(ô) / Plural(ó)
aposto / apostos
corno / cornos
corvo / corvos
fogo / fogos
imposto / impostos
miolo / miolos
osso / ossos
poço / poços
porto / portos
povo / povos
socorro / socorros
caroço / caroços
corpo / corpos
esforço / esforços
forno / fornos
jogo / jogos
olho / olhos
ovo / ovos
porco / porcos
posto / postos
reforço / reforços
tijolo / tijolos


Exercícios

1. Forme substantivos abstratos, conforme o modelo.

Menino feliz – a felicidade do menino.

a) mulher alegre
b) edifício alto
c) crianças pobres
d) mulher viúva
e) homem livre
f) verificar os resultados
g) conceder os privilégios
h) imprimir o livro

2. Passe para o plural.

a) degrau
b) tico-tico
c) opinião
d) chá- de- cozinha
e) tabelião
f) guarda- comida
g) cidadão
h) guarda- civil
i) açúcar
j) ex- aluno
k) atlas
l) amor- perfeito
m) hífen
n) segunda- feira
o) álcool
p) vira- lata
q) barzinho
t) boa- vida
j) planalto
u) abaixo- assinado

3. As frases abaixo apresentam algum erro com relação ao substantivo. Corrija-as devidamente.

a) Carlos perguntou a sua cônjuge se ela era feliz.

b) Ele foi agredido sem nenhuma dó.

c) Na festa, ela tomava sossegadamente sua champanhe.

d) Os guarda- noturnos reuniram-se em assembléia.


4. “Subirei no pau- de- sebo/mando chamar o mãe-d`água”.
Ambos os substantivos no plural:

a) paus- de- sebo/mães- d`água
b) pau- de sebos/mãe- d`águas
c) paus- de- sebos/mães-d`águas
d) os paus- de- sebo/as mães-d`água
e) os pau- de sebos/as mãe- d`águas

5. Ficou com... quando soube que... caixa do banco entregara aos ladrões todo o dinheiro... clã.
a) o moral abalado – o – do
b) a moral abalada – o – da
c) o moral abalado – a – da
d) a moral abalado – a – do
e) a moral abalada – a – da

6. Viam- se...junto aos...do jardim.
a) papelsinhos – meios- fio
b) papeizinhos – meios- fios
c) papeisinhos – meio- fios
d) papelsinhos – meios-fios
e) papeizinhos – meio- fios

7. Complete as frases de acordo com o modelo. Em várias frases, você terá mais de uma opção correta.

a) Costumava viajar todas as...(quinta- feira)
Costumava viajar todas as quintas- feiras.

b) Tinha direito a vários...(salário- família).

c) Nunca tinha visto tantos...(beija- flor) ao mesmo tempo.

d) Sua intervenção pôs fim a todos os...(bate- boca).

e) Anunciaram seu nome por intermédio dos...(alto- falante).

f) Todos os...(abaixo- assinado) concordaram com esta reivindicação.

g) Venho aqui todas as...(segunda- feira).

h) Vários...(vice- presidente) transformaram- se em presidentes da república do Brasil.

i) Os...(recém-nascido) partiram para Pequim.

j) Ocorreu mais um acidente com caminhões que transportavam....
(bóia-fria). Isso é jeito de se transportar gente!

k) Passou mal após ter comido várias...(banana- maçã) e várias...(manga- rosa)

l) Combinaram várias...(palavra-chave).

m) Ele já perdeu três...(guarda-chuva) este ano.

n) Seu canteiro de...(couve-flor) está primoroso!

o) É o autor de várias...(obras-primas).

p) Vários...(joão-de-barro) construíram seus ninhos nos postes de iluminação.

q) Fotografaram várias...(vitória- régia) em sua viagem pela Amazônia.

r) Os...(livro- caixa) da empresa haviam sido roubados.


8. Indique o sentido de cada uma das palavras destacadas nas frases abaixo.

a) É um sujeitinho.
b) É um mulherão.
c) É um timaço.
d) É um timeco.
e) Aquela mulherzinha.
f) Vou passar uns diazinhos na praia.
g) Que gentalha!
h) O Carlito chegou cedo.
i) A namorada dele é um peixão!
j) Ele pegou um peixão. Quatro quilos!


TEXTO 01

Paixão, ódio, traição,
amor, lágrimas, paz,
suspense, morte, sexo,
alegria, ficção, terror,
aventura, humor, dor,
medo, ambição, sonho,
história, matemática,
geografia, surpresa,
espionagem, saudade e
guerra no Riocentro.
IV Bienal do livro.


9. Considerando o texto:

a) Aponte um substantivo próprio.

b) Aponte um substantivo derivado.

c) Um substantivo composto.

d) Predominam no texto substantivos abstratos ou concretos?

e) O texto é formado quase exclusivamente por substantivos. Que efeito se consegue com essas enumerações? Comente.


TEXTO 02
De Gramática e de Linguagem

E havia uma gramática que dizia assim:
“Substantivo(concreto) é tudo quanto indica pessoa,
animal ou coisa: João, Sabiá, caneta.”
Eu gosto é das coisas. As coisas, sim!...
As pessoas atrapalham. Estão em toda parte.
Multiplicam-se em excesso.
As coisas são quietas. Bastam-se.
Não se metem com ninguém.
Uma pedra. um armário.
Um ovo(ovo nem sempre, ovo
pode estar choco: é inquietante...)
Mas o bom, mesmo, são os adjetivos,
Os puros adjetivos, isentos de qualquer objetivo.
Verde. Macio. Áspero. Rente. Escuro. Luminoso.
Sonoro. Lento. Eu sonho
Com uma linguagem composta unicamente de adjetivos
Como decerto é a linguagem das plantas e dos animais.
Ainda mais:
Eu sonho com um poema
Cuja palavras sumarentas escorram
Como a polpa de um fruto maduro em tua boca.
Um poema que te mate de amor
Antes mesmo que tu lhe saibas o misterioso sentido.
Basta provares o seu gosto.
Mário Quintana

10. Destaque todos os substantivos do texto.

11. Relacione:

1. epicenos
2.comuns de dois gêneros
3. sobrecomuns
4. biformes(variáveis)

( ) ciclista ( ) peru ( ) capivara
( ) cidadão ( ) vítima ( ) cúmplice
( ) cônjuge ( ) fã ( ) pavão


12. Volte ao texto de Fernando Sabino (página 01) e circule todos os substantivos que não estão destacados.


O Adjetivo

RETRATO – Cecília Meireles

Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
-Em que espelho ficou perdida
a minha face?

Adjetivo é a espécie de palavra que serve para caracterizar os seres ou os objetos nomeados pelo substantivo, indicando-lhes:
a )uma qualidade(ou defeito);
b) o modo de ser;
c) o aspecto ou a aparência;
d) o estado.” (Celso Cunha)

Existem adjetivos que se referem a países, estados, cidades,etc., indicando a nacionalidade ou a origem do ser. São os adjetivos pátrios. Normalmente são formados pelo acréscimos de um sufixo ao substantivo de que se originam: Acre/ acreano, Bahia/ baiano, Brasil/brasileiro.

Muitas vezes os adjetivos pátrios são compostos, referindo-se a duas ou mais nacionalidades ou regiões, assumindo uma forma reduzida e erudita, com exceção do último elemento que se mantém em sua forma normal: franco-ítalo-brasileiro.

Eis alguns adjetivos pátrios reduzidos: afro(africano); anglo (inglês); luso(português)...


Locução adjetiva – expressão formada de uma preposição e um substantivo ou advérbio, equivalente a um adjetivo, ou dando uma idéia adjetiva, ainda que, em alguns casos, não apresente um adjetivo correspondente.

dia de chuva/ dia chuvoso
carne de boi/ carne bovina
loja de brinquedo

Flexão dos adjetivos

O adjetivo varia em gênero, número e grau, concordando com o substantivo a que se refere.

Quanto ao gênero, o adjetivo pode ser:

Uniforme (apresenta uma única forma para os dois gêneros): homem jovem/mulher jovem.

Biforme (apresenta duas formas: uma para o masculino e outra para o feminino): honesto/honesta.

Quanto ao número, o adjetivo se flexiona em singular e plural, concordando com o substantivo a que se refere.

Quanto ao grau, além do normal, o adjetivo apresenta-se no grau comparativo e no superlativo.

Grau comparativo – sua função é comparar uma mesma qualidade entre dois ou mais seres, ou duas ou mais qualidades de um mesmo ser.
Ex.: Luciana é mais alta (do) que Lúcia.
Luciana é mais bonita (do) que simpática.

O comparativo pode ser:

a) de igualdade: quando a qualidade expressa pelo adjetivo aparece como a mesma intensidade em todos os elementos envolvidos na comparação.

Ex.: Esta caneta é tão velha quanto aquela.
Lúcia é tão esperta quanto simpática.

b) de superioridade: quando a qualidade expressa pelo adjetivo aparece mais intensificada no primeiro elemento da comparação.

Ex.: Esta caneta é mais velha que aquela.
Lúcia é mais esperta que simpática.

c) de inferioridade: quando a qualidade expressa pelo adjetivo aparece menos intensificada no primeiro elemento da comparação. é menos velha que aquela.

Ex.: Lúcia é menos simpática que esperta.
Esta caneta é menos velha que aquela.

Nota: Os adjetivos bom, mau, grande e pequeno, no grau comparativo de superioridade, apresentam as formas sintéticas: melhor, pior, maior, respectivamente.

Ex.: Esta sala é maior que aquela.

Porém:

Esta sala é mais grande do que arejada.


Superlativo – a função do adjetivo é expressar uma qualidade em grau muito elevado, ou muito intenso.

Ex.: João é o mais veloz entre os corredores.
João é muito veloz.
João é velocíssimo.

O grau superlativo pode ser:

Absoluto: quando a qualidade expressa pelo adjetivo não é relacionada à de outros elementos de um determinado universo, podendo ser:

Sintético - quando a alteração de grau é feita com o auxílio de um sufixo superlativo(-íssimo, -ílimo, -érrimo,): João é velocíssimo.

Analítico – quando a alteração de grau é feita com o acréscimo de alguma palavra que modifica o adjetivo: João é muito veloz.


Relativo: quando a qualidade expressa pelo adjetivo é relacionada, favorável ou desfavoravelmente, à de outros elementos de um determinado universo.

Ex.: João é o mais veloz dentre os atletas brasileiros.
Pedro é o menos veloz dentre os amadores.

Emprego do adjetivo

1. Superior e inferior não admitem, na norma culta, a anteposição de mais ou menos(mais superior, menos inferior). Mais ruim e menos ruim, porém, são combinações boas.

2. Mais pequeno é forma boa em qualquer circunstância; mais grande só se usa na comparação de qualidades de um mesmo ser.
Ex.: Luís é mais grande que forte
Elisabete é mais grande que forte.

Nota: Também se usam mais bom e mais mau quando se comparam qualidades de um mesmo ser.

Ex.: Luís é mais bom que ingênuo.
Elisabete é mais má que boa.

3. A anteposição ou a posposição de alguns adjetivos aos substantivos
implica mudanças de significados.

Ex.:
alto funcionário/funcionário alto
belo rapaz/rapaz belo
bom homem/homem bom
bravo rapaz/rapaz bravo
caro amigo/amigo caro
comum acordo/acordo comum
novo funcionário/funcionário novo
pobre gente/gente pobre
pronta entrega/entrega pronta
puro capricho/capricho puro
santo homem/homem santo
simples questão/questão simples
único caso/caso único
velho amigo/amigo velho


4. Alguns nomes são pronomes adjetivos quando antepostos aos substantivos e adjetivos puros quando pospostos; nesse caso há também mudanças de significados.
Ex.: certo homem/homem certo
diversos modelos/modelos diversos
todo homem/o homem todo
vários homens/homens vários

5. O adjetivo mero só aparece anteposto ao substantivo: mero palavreado, mera coincidência, etc.

6. É comum usar-se o adjetivo com valor de substantivo. Para tanto, basta fazê-lo anteceder de um artigo.

Ex.: O brasileiro é um apaixonado do futebol.
Precisamos preservar o verde para podermos
contemplar o azul do céu.

Exercícios

1. Destaque os adjetivos.

a) “Enquanto os homens exercem seus podres poderes
Motos e fuscas avançam os sinais vermelhos.”
(Caetano Veloso)

b) Uma moça bonita
de olhar agateado
deixou em pedaços
o meu coração.
(Alceu Valença)

c) Um dia ele chegou tão deferente do seu jeito de sempre chegar.
Olhou-a dum jeito muito mais quente do que costumava olhar.
(Vinícius e Chico)

d) “Deus me fez um cara fraco, desdentado e feio.”
(Chico Buarque)

e) “Amanhã
será um lindo dia
da mais louca alegria
que se possa imaginar.”
(Guilherme Arantes)

f) “Estou farto do lirismo namorador
político
raquítico
sifilítico.”
(Manoel Bandeira)

2. Pluralize.

a) sapato marrom- café
b) sapato marrom- escuro
c) lente côncavo- convexa
d) tratado nipo-austro-húngaro
e) blusa amarelo- ouro
f) blusa amarelo- dourado
g) camisa azul- marinho
h) menina surda- muda
i) blusa gelo

3. Indique o grau dos adjetivos presentes nas frases abaixo.

a) Heloísa é extremamente simpática.

b) Aquele livro é tão antigo quanto a Bíblia.

c) Sua atitude foi corretíssima.

d) Esta observação foi a mais correta de todas

e) Este livro é melhor que aquele.

f) Os jovens estão mais ágeis que seus pais.

g) Lígia era a menos esforçada da classe.


4. As frases abaixo apresentam erro com relação ao grau do adjetivo. Reescreva-as, corrigindo adequadamente.

a) Esta fazenda é mais grande do que aquela ao lado.
b) Sua redação está mais boa do que a de ontem.
c) João era uma pessoa pobríssima.

5. Dê os adjetivos equivalentes às expressões sublinhadas.

a) modificação da paisagem.
b) atitudes de criança.
c) imagem do espelho.
d) máquina de guerra.
e) programa da tarde.
f) ciclo da vida.
g) representante dos alunos.

6. Assinale a opção em que todos os adjetivos não se flexionam em gênero.

a) delgado, móbil, forte
b) oval, preto, simples
c) feroz, exterior, enorme
d) brilhante, agradável, esbelto
e) imóvel, curto, superior

7. Selecione a alternativa que completa corretamente a lacuna da frase apresentada:
Os acidentados foram encaminhados a diferentes clínicas...
a) médicas- cirúrgicas
b) médica- cirúrgicas
c) médico- cirúrgicas
d) médicos- cirúrgicas
e) médica- cirúrgicos

8. Assinale a alternativa que contém o superlativo dos seguintes adjetivos: nobre, pobre, doce, amável, sagrado:
a) nobérrimo, paupérrimo, docíssimo, amabilíssimo, sagradíssimo
b) nobilíssimo, paupérrimo, dulcíssimo, amabilíssimo,sacratíssimo
c) nobilíssimo, pobríssimo, docíssimo, amavelíssimo,sagradíssimo
d) nobérrimo, paupérromo, docérrimo, amabilíssimo, sagradíssimo
e) nobilíssimo, pobríssimo, docíssimo, amavelíssimo,sagradíssimo

9. O termo em destaque é um adjetivo desempenhando a função de um nome em:
a) O coitado está se queixando dela com toda a razão.
b) É uma palavra assustadora.
c) Num joguinho aceita-se até o cheque frio.
d) Ele é meu braço direito, doutor.

10. A frase em que o adjetivo está no grau superlativo relativo de superioridade é:

a) Estes operários são capacíssimos.
b) O quarto estava escuro como a noite!
c) Não sou menos digno que meus pais.
d) Aquela mulher é podre de rica.
e) Você foi o amigo mais sincero que tive.

11. “Talvez seja bom que o proprietário do imóvel possa desconfiar que ele não é tão imóvel assim.”
A palavra destacada é, respectivamente:
a) substantivo e substantivo
b) substantivo e adjetivo
c) adjetivo e verbo
d) advérbio e adjetivo
e) adjetivo e advérbio


12. Destaque todos os adjetivos do texto a seguir:


Portão

O portão fica bocejando, aberto
para os alunos retardatários.
Não há pressa em viver
nem nas ladeiras duras de subir,
quanto mais para estudar a insípida cartilha.
Mas se o pai do menino é da oposição
à ilustríssima autoridade municipal,
prima da eminentíssima autoridade provincial,
autoridade nacional,
ah isso não: o vagabundo
ficará mofando lá fora
e leva no boletim uma galáxia de zeros.
A gente aprende muito no portão
fechado.
Carlos Drummond de Andrade


13. Aponte o grau dos adjetivos nas frases abaixo, conforme o
código a seguir:

A- grau normal
B- comparativo de igualdade
C- comparativo de superioridade
D- comparativo de inferioridade
E- superlativo absoluto analítico
F- superlativo absoluto sintético
G- superlativo relativo

1.( ) Minha vida é importante.
2.( ) Minha vida é tão importante quanto a sua.
3.( ) Minha vida não é mais importante do que a sua.
4.( ) Minha vida não é menos importante do que a sua.
5.( ) Nossas vidas são verdadeiramente importantes.
6.( ) Nossas vidas hão de ser extraordinariamente úteis à pátria.
7.( ) Tua vida é importantíssima, ó jovem.
8.( ) Naquele instante, a vida dela era a mais importante de todas.
9.( ) Era um justo, um santo: morreu em paz.
10( ) Tu és tal qual eu supunha.
11( ) Manuel era o menor da turma
12( ) Manuel era menor do que João
13( ) Lá, sim, faz um clima salubérrimo.
14( ) Muito nobres são teus gestos e tuas intenções
15( ) Comprei uma motocicleta velocíssima.
16( ) Foi o mais infernal dos suplícios.
17( ) Não seria, acaso, o menos amável dos seus sorrisos?
18( ) Contratamos um péssimo guia e nos perdemos no pantanal.
19( ) As avenidas ficaram profusamente iluminadas.
20( ) O argumento, o menos concludente de quantos aduziste.
21( ) João é cem por cento honesto.


O Artigo

“Um incêndio de grandes proporções está destruindo, neste momento, um prédio comercial no centro de São Paulo. Pessoas que trabalham no local disseram que ouviram uma explosão e, logo a seguir, viram muita fumaça. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o prédio não possui sistema de segurança contra fogo e o incêndio pode se espalhar para outros prédios vizinhos. Ainda segundo soldados do Corpo de Bombeiros, a explosão teria sido causada por vazamento de gás.”

“Dá-se o nome de artigo às palavras o(com as variações a, os, as) e um(com as variações uma, uns, umas), que se antempõem aos substantivos para indicar:

a) que se trata de um ser já conhecido do leitor ou ouvinte, seja por ter sido mencionado antes, seja por ser um objeto de um conhecimento de experiência:

b) que se trata de um simples representante de cada espécie ao qual não se faz menção anterior.

No primeiro caso dizemos que o artigo é definido; no segundo, indefinido.” (Celso Cunha)


Classificação do Artigo

a) Definido: determina o substantivo de modo preciso, específico:

o(masculino singular)
a(feminino singular)
os(masculino plural)
as(feminino plural)


b) Indefinido – determina o substantivo de modo vago, impreciso: um, uns, uma, umas.

Ex.: O aluno fez a redação.
Um aluno fez uma redação.

Além de evidenciar o gênero e o número do substantivo, o artigo tem a propriedade de substantivar qualquer palavra, isto é, qualquer palavra precedida de artigo assume a função de substantivo.

O a é uma vogal.
Triste palavra é um não.

Os artigos, muitas vezes, aparecem combinados com preposições.

Luciana estava na sala.(prep. em + art. a)
Ele saiu do cinema.(prep. de + art. o)
Deixou o dinheiro numa gaveta.(prep. em + art. uma)
Não pude ir à praia.(prep. a + art. a)


Emprego dos Artigos


1. Não se deve utilizar artigo depois do pronome relativo cujo e suas
Flexões: Feliz é o pai cujos filhos são ajuizados.

2. É obrigatório o uso do artigo entre o numeral ambos e o substantivo
a que se refere: O juiz solicitou a presença de ambos os cônjuges.

3. Diante de pronomes possessivos, o uso do artigo é facultativo: O meu amigo não conhece a sua cidade. OU Meu amigo não conhece sua cidade.

4. Diante de nomes de pessoas, geralmente não se utiliza o artigo: Capitu é personagem de um romance de Machado de Assis.

Nota: Na linguagem coloquial, é frequente o uso do artigo antes de nome de pessoas a fim de indicar afetividade ou familiaridade: A Luciana é prima da Lúcia.

5. Não se combina com preposição o artigo que faz parte do nome de jornais, revistas, obras literárias: Lemos a notícia em O Estado de São Paulo.

6..Depois do pronome indefinido todo, emprega-se o artigo para conferir idéia de totalidade. A ausência do artigo leva a crer que não se trata do elemento “inteiro”, mas de qualquer elemento daquela classe: Ele comeu todo o bolo. / Todo homem é mortal.


Exercícios

1. No texto abaixo, indique os artigos.

“Tire um sono na rede
Deixe a porta encostada
Que o vento da madrugada
Só me leva pra você
E antes de acontecer
Do sol a barra vir quebrar
Estarei nos teus braços
Pra nunca mais voar.”
(Luiz Gonzaga Jr.)

2. No texto abaixo, aponte os artigos que estão sendo usados para substantivar palavras que primitivamente não eram substantivos.

“Quando a gente tá contente
tanto faz o quente, tanto faz o frio, tanto faz
que eu me esqueça do meu compromisso
com isso e aquilo que acontece dez minutos atrás
Dez minutos atrás de uma idéia já deu pra
uma teia de aranha crescer
sua vida na cadeia do pensamento.”
(Gilberto Gil)

3. Dê o artigo definido adequado aos substantivos abaixo:

a) ___dó
b) __ óculos
c) ___champanha
d) __ lança-perfume
e) ___grama(unid. de massa)
f) __ guaraná
g) ___alface
h) __plasma
i) ___pêsames
j) ___núpcias
k) ___olheiras


4. Explique a diferença de significado das expressões destacadas:
a) Ele leu todo o livro.
b) Todo livro deve ser bem conservado.

5. As frases a seguir apresentam algum erro no emprego do artigo. Reescreva- as, corrigindo adequadamente.
a) Não conhecia nenhum episódio dos Lusíadas.
b) Não conheço o aluno cujo o pai é professor.
c) Tinha muito amor a ambos filhos.


6. Indique a função do artigo na frase abaixo:

a) Haroldo ficou encantado com o andar de bailarina de Joana.

7. Marque a opção adequada de acordo com o emprego do artigo nas frases a seguir, observando o seguinte código.
A – artigo incorreto
B – denota familiaridade
C – artigo facultativo
D -- artigo obrigatório

a) ( ) Os alunos os mais estudiosos serão recompensados.
b) ( ) Os alunos mais estudiosos serão recompensados.
c) ( ) Os mais estudiosos alunos serão recompensados.
d) ( ) Você viu o Pedrinho? Mamãe quer falar com ele.
e) ( ) Conhece a encantadora Goiânia.
f) ( ) Trouxemos para a Vossa Excelência a certeza da vitória.
g) ( ) O Estados Unidos progrediram muito.
h) ( ) Os Estados Unidos progrediram muito.
i) ( ) O meu destino é esse mesmo.
j) ( ) Encontrei-me com um certo indivíduo muito mentiroso.
l) ( ) O examinador valorizou muito os nossos trabalhos.
m) ( ) O contrabandista veio do bordo e já está na terra.

Texto 01 “O orvalho vem caindo

Vai molhar o meu chapéu
E também vão sumindo
As estrelas lá no céu
Tenho passado tão mal
A minha cama é uma folha de jornal.”
(Noel Rosa e Kid Pepe)

8. Considerando o texto, responda:
a) Quantos artigos há?
b) Aponte um exemplo em que o artigo apareça unido à preposição em.
c) Aponte um artigo indefinido e indique a que substantivo ele se refere.


9. Há alguns anos, as duas frases a seguir eram utilizadas nas campanhas publicitárias da cerveja Kaiser. Leia-as atentamente.
a) “Kaiser: a cerveja.”
b) “A Kaiser é uma grande cerveja.”

Comparando o sentido de ambas, é possível afirmar que entre elas há uma certa contradição? Explique.

10. Em uma entrevista a um programa de televisão, um ator, falando a respeito de uma nova peça teatral da qual iria participar, disse:
“- Nós não vamos apresentar uma peça; nós vamos apresentar a peça. Nós não vamos dar um espetáculo; nós vamos dar o espetáculo.”

11. “... A manhã era linda. [A borboleta] Veio por ali, fora, modesta e negra, espairecendo as suas borboletices, sob a vasta cúpula de um céu azul, que é sempre azul, para todas as asas. Passa pela minha janela, entra e dá comigo. Suponho que nunca teria visto um homem; não sabia, portanto, o que era o homem; descreveu infinitas voltas...” (Machado de Assis)

a) Explique os dois diferentes sentidos em que foi empregada a palavra homem.
b) Que recurso linguístico o narrador empregou para obter tal mudança de sentido?

12. Utilizando a substantivação, forme frases em que as palavras destacadas ocorram como substantivos. Siga o modelo:
Ele coleciona carros antigos.
Os antigos pensavam que o mundo era plano.

a) Nós assistimos a um belo espetáculo.
b) Quem não gostaria de viver numa cidade à beira-mar?
c) Os resultados dos exames serão divulgados amanhã.
d) Ela sempre diz não.
e) Mal cheguei, ela saiu.
f) Maria dirige muito bem.

13. Considerando o uso do artigo, indique as alternativas corretas.
a) As pessoas cujos os nomes constam da lista serão atendidas.
b) Eu não concordo com a sua opinião.
c) Eu não concordo com sua opinião.
d) O professor sempre falava sobre o Cristóvão Colombo.
e) A surpreendente Clarice Lispector teve recentemente toda a sua obra reeditada.

O Numeral

“... Apenas 78 de cada mil estudantes concluíam, em 1992, o 1o grau em oito anos e 330 completavam o estudo básico, muitos após várias repetências. Em média, eles levaram 9,6 anos para completar as 8 séries...”
(LER – Suplemento especial da Folha de São Paulo – 9/9/95)

Numerais são palavras que designam números, ou a ordem de sua sucessão.(...) Podem-se usar individualmente, com o valor de substantivos, ou como adjetivos, isto é, junto de um substantivo, ao qual acrescentam uma indicação de quantidade ou de ordem.” (Rocha Lima)

dois livros
segunda fila
cinco livros
quinta coluna

O numeral pode ser classificado como:

a) cardinal – designa a quantidade de seres: um, dois, três, dez, mil, milhão, etc.

b) ordinal – indica ordem de sucessão, posição ocupada por um ser numa determinada série: primeiro, segundo, terceiro, décimo, milésimo, etc.

c) multiplicativo – indica multiplicação: dobro, duplo, triplo, quádruplo, quíntuplo, etc.

d) fracionário – indica divisão, fração: meio, metade, terço, quarto,doze avos, etc.

Emprego dos numerais

1 . Para designar séculos, reis, papas, capítulos, utiliza-se o numeral ordinal até décimo. A partir daí, utilizam-se os numerais cardinais: século III(século terceiro) -século XX(século vinte) - Dom Pedro II(Dom Pedro segundo).

2. O numeral que precede o substantivo deve ser sempre lido como ordinal, concordando com o substantivo: IX Copa do Mundo(Nona Copa do Mundo) - V Salão do Automóvel(Quinto Salão do Automóvel) - XXVIII Fenit(Vigésima Oitava Fenit).

3.. Também são numerais: zero, ambos, ambas.

4. São considerados numerais os substantivos que indicam um conjunto exato de elementos(numerais coletivos): par(dois) - dezena(conjunto de dez) - centena(cem) -década(conjunto de dez anos) - centenário(cem anos).


Flexões

Cardinais: normalmente são invariáveis: Comprei três discos e cinco fitas.

Os cardinais um, dois, e as centenas a partir de duzentos sofrem flexão de gênero: Assino um jornal e uma revista.

Os cardinais milhão, bilhão, trilhão, etc. variam em número: O prêmio era de cinco milhões.


Ordinais: variam em gênero e número: Na segunda corrida que disputou, houve dois primeiros colocados.


Multiplicativos: só variam quando têm valor de adjetivo, ou seja, quando se referem a um substantivo: Ele fez dois palpites triplos; fez apostas triplas.


Fracionários: concorda em gênero e número com o cardinal que os antecede: Ele recebeu um terço do que merecia; recebeu uma terça parte do valor devido.


Coletivos: variam apenas em número: Ainda há dúzias de ovos.

Na linguagem coloquial é comum a flexão dos numerais em grau, bem como a criação de novos numerais: É um produto de primeiríssima qualidade. Apesar de quarentona, parecia uma adolescente. Repetiu as mesmas palavras pela enésima vez.

Exercícios

1. Em: ”Zero à esquerda”, classifique o numeral.

2. Classifique os numerais sublinhados:

a) Heloísa foi a sétima colocada.
b) Somente com palpite triplo acertaria o jogo.
c) Tomou sozinho meio litro de leite.
d) Metade da sala não compareceu à prova.
e) Naquela madrugada, o termômetro marcava zero grau.
f) Escolheram o candidato de uma lista tríplice.
g) Vinte e dois jogadores foram convocados.

3. Escreva o numeral por extenso(cardinal ou ordinal)

a) capítulo XXXV
b) capítulo VIII
c) Dom João VI
d) Luís XV
e) Paulo VI

4. “Um, dois, três lampiões, acende e continua
Outros mais a acender imperturbavelmente,
À medida que a noite aos poucos se acentua
E a palidez da lua apenas se pressente.”

No primeiro verso, um é:

a) artigo definido
b) artigo indefinido
c) numeral ordinal
d) numeral cardinal

5. Oitavo e óctuplo; centésimo e cêntuplo são respectivamente, os ordinais nais e multiplicativos de:
a) oitenta e dez
b) oitenta e cem
c) oito e dez
d) oito e cem

6. Comente o valor semântico dos numerais destacados.

a) Já lhe disse isso um milhão de vezes!

b) É artigo de primeira.

c) Isso é troca de seis por meia dúzia.

d) Comprou um carro de segunda e agora se arrepende.

e) Dou dez pela aparência e zero pala sutileza.

f) “Ele sempre arranja mil e uma desculpas para não trabalhar às segundas-feiras.

g) “Seu amigo, apesar de rico, só almoça em restaurantes de Segunda classe.

h) Chorei bilhões de vezes.


7.. Destaque e classifique os numerais.

a) “Como, se nos amamos feito dois pagãos
Meus seios ainda estão em tuas mãos
Me explica com que cara eu vou sair.”
(Chico Buarque e Tom Jobim)

b)“Mais vale uma filha na mão
Do que dois pais sobrevoando.”
( “Julinho de Adelaide”)

c).“O time de Campinas entrou em campo decidido a somar mais três pontos no Campeonato Paulista e recuperar a Quarta colocação no torneio. Com uma nova dupla de área, formada por Leto, Jean e Nélio, a equipe buscou várias vezes o gol, mas não conseguiu marcar.” (Jornal Correio Popular)

O Pronome

“O homem julga que é superior à natureza, por isso o homem destrói a natureza, sem pensar que a natureza é essencial para a vida do homem.”

O homem julga que é superior à natureza, por isso ele a destrói, sem pensar que ela é essencial para a sua vida.

“Os pronomes desempenham na frase funções equivalentes às exercidas pelos elementos nominais. Servem pois:
a) para representar um substantivo;
b) para acompanhar um substantivo, determinando-lhe a extensão do significado.” (Celso Cunha)

Pronomes substantivos e pronomes adjetivos

Pronomes substantivos são aqueles que substituem o substantivo e pronomes adjetivos são aqueles que acompanham o substantivo.

Ela veio, mas não a vi.
p.s. p.s.

Nossa casa é aquela barraca.
p.a. p.a.

Nossa casa é aquela.
p.a. p.s.

Exercícios

1. Classifique os pronomes destacados como substantivos ou adjetivos.

a) “Minha casa não é minha.”
b) “Ele é casado e eu sou a outra que o mundo difama.”
c) Encontrei-a desanimada.
d) Aquele homem foi visto em São Paulo.
e) Isso não tem cabimento.
f) “Não conheço seu nome ou paradeiro.”
g) Volte outro dia.
h) Você não entendeu nada.
i) Não encontrei o livro que você recomendou.
j) Qualquer pessoa pode comparecer à festa.

Classificação dos pronomes

Os pronomes são classificados em seis tipos: pessoais, possessivos, demonstrativos, indefinidos, interrogativos e relativos.

Pronomes pessoais: Designam diretamente uma das pessoas do discurso:
1a pessoa: a que fala(ou escreve) – falante ou emissor: eu, nós;
2a pessoa: com quem se fala(a pessoa que ouve ou lê – ouvinte ou receptor: tu, vós;
3a pessoa: de quem se fala (pessoa ou coisa a respeito da qual a 1a pessoa fala ou escreve: ele(s), ela(s).

Os pronomes pessoais podem ser: retos, oblíquos e de tratamento.

Quando funcionam como sujeito e predicativo do sujeito, são retos; quando servem de complemento, são oblíquos.

Se eu me salvar eu mudo de vida.
ME – p.oblíquo átono: OD do verbo salvar;
EU – p.reto: SUJEITO do verbo mudar.


PRIMEIRA PESSOA SINGULAR: eu , me, mim, comigo

SEGUNDA PESSOA SINGULAR: tu ,te, ti, contigo
TERCEIRA PESSOA SINGULAR: ele, ela, o,a,lhe,se , si, ele, ela, consigo

PRIMEIRA PESSOA PLURAL: nós, nos, nós, conosco
SEGUNDA PESSOA PLURAL : vós, vos, vós,convosco

TERCEIRA PESSOA PLURAL: eles, elas , os, as, lhes, se , si, eles, elas, consigo

Dá-se o nome de pronome reflexivo ao pronome oblíquo que se refere ao mesmo ser indicado pelo pronome reto: Feri-me com a tesoura.

Os pronomes oblíquos o, a, os, as assumem as formas lo, la, los, las após formas verbais terminadas em r, s, z e no, na, nos, nas após fonemas nasais(am, em, õe, etc.).
Vou escrever uma carta . / Vou escrevê-la.
Põe os jornais ali. / Põe-nos ali.

Emprego dos Pronomes Pessoais

1. Os pronomes pessoais do caso reto ou subjetivos exercem a função de sujeito: eu li, tu lês...
Não há nada para eu ler.
Comprei um disco para tu ouvires.
Não há nada entre mim e ti.
Construção condenável: Não há nada entre eu e tu.

2. As formas nós, vós, ele(e variações) são oblíquas quando regidas de preposição.
Clarice trouxe um livro para nós.
Comprei um disco para ela.

3. Você é pronome de 2a pessoa, mas exige verbo e pronome na 3a, assim como todos os pronomes de tratamento.
Você estuda para viver melhor com seu semelhante.

4. Usa-se vossa quando quando se dirige à pessoa e sua quando se refere à pessoa.
V.Exa. dormiu bem com sua esposa?
Sua Santidade está cansado da viagem.

5. Com nós e com vós se usam na língua culta apenas quando seguidos de alguma palavra reforçativa; do contrário, usam-se conosco e convosco.
As crianças irão com nós dois.
As crianças irão conosco.

6. Se, si e consigo são pronomes reflexivos, ou seja, referem-se ao próprio sujeito do verbo.
Elisabete se machucou, mas não se perturbou.
Cassilda só fala de si mesma.
O rapaz levou consigo todo o dinheiro.

7. Os pronomes oblíquos podem funcionar como sujeito de infinitivo quando se usam os verbos mandar, deixar, fazer, ver, ouvir, sentir.
Mandaram-me entrar.
Deixe-as dormir.
Faça-nos trabalhar.
Viram-me sair.
Ouvi-a bater
Sentimo-los chorar.

8. Na língua culta, observa-se a uniformidade de tratamento: se o pronome escolhido foi da 3a pessoa, o uso dele e de seus correspondentes dali por diante é obrigatório.
Você não imagina quanto eu a amo.
A única coisa que podes fazer para te reaproximares de tua mocidade é repetires tuas loucuras.


9. Para mim, revisar o documento foi fácil.
Nesse caso, o pronome mim não é sujeito de revisar. Na verdade, a frase está invertida: Revisar o documento foi fácil para mim.

Exercícios

BILHETE – Mário Quintana

Se tu me amas, ama-me baixinho Se me queres, enfim,
Não o grites de cima dos telhados tem que ser bem devagarinho, Amada,
Deixe em paz os passarinhos que a vida é breve,
Deixe em paz a mim! e o amor mais breve ainda...

1. Substitua a expressão sublinhada na frase a seguir pelo pronome oblíquo átono correspondente: “Deixa em paz os passarinhos.”

2. Se o sujeito do primeiro verso fosse o pronome você, em que pessoa estariam os verbos?

3. Identifique, no poema, um verso em que ocorra comparativo de superioridade.

4. Complete com o pronome pessoal conveniente.

a) Juçara não __ ama, mas ele ___ ama.
b) Teresinha não __ entende, mas eu ___ entendo.
c) Isabel não __ cumprimentou, mas eles ___ cumprimentaram.
d) Teresa não ___ entende, mas nós ___ entendemos.
e) Os árabes brigam entre __ mesmos. Que haverá entre ___?

5. Complete os espaços com eu ou mim.

a) Meus filhos não dormem sem ___, não dormem sem __ estar a seu lado.
b) Trouxeram um livro para ___, mas não para ___ ler.
c) Essa gente sempre teve muito ciúme de ___ e Cristina, porque somos felizes.
d) Sempre houve muita amizade entre ___ e Isabel, mas não entre ___ e Isilda.
e) Deixaram tudo para ___ fazer, mas não dá para ___ fazer tudo sozinho.
f) Sem __ ler, não assino isso; sem ___ não se faz nenhuma revolução.
g) Era muito fácil para ___ entrar no circo sem pagar.
h) É bom para ___ ir à praia de vez em quando.
i) O carteiro entregou o telegrama para ____.
j) Para __ ler isso, preciso pôr os óculos.
k) Para ___, ler à noite é um sacrifício.
l) Ontem aconteceu uma discussão entre ___ e ela.
m) Sem ___, eles não iriam ao escritório.
n) Sem ___ autorizar, eles não iriam ao escritório.


6. Corrija as frases a seguir:

a) Convidei ela para o aniversário.
b) Vi ele no cinema.
c) Deram o livro para eu.
d) Emprestaram o caderno para tu.
e) Receberam nós com muita atenção.
f) Entre ela e eu não há qualquer problema.
g) Jamais houve qualquer problema entre tu e eu.
h) Não vá à festa sem eu.
i) Deram o livro para mim ler.
j) Não deu para mim ir ao encontro ontem.
k) Falta muito pouco para mim descobrir a verdade.
l) Meu amor, preciso falar consigo.
m) Querida, eu gosto muito de si.
n) Heloísa, preciso falar consigo ainda hoje.
o) Eles queriam falar com nós.
p) Não lhe convidei para a festa.
q) Mandei ela sair.

7. “No discurso de posse, tu deves reafirmar que não te esquecerás dos compromissos que assumiste com teus colaboradores.” Reescreva, trocando o pronome TU por VOSSA EXCELÊNCIA, fazendo as adaptações necessárias.


Pronomes Possessivos

“Tuas palavras antigas
deixei-as todas, deixei-as,
junto com as minhas cantigas,
desenhadas nas areias.” (Cecília Meireles)

Pronomes possessivos são aqueles que dão idéia de posse em relação às pessoas do discurso.


1a pessoa do singular - EU - meu, minha, meus, minhas
2a pessoa do singular - TU - teu, tua, teus, tuas
3a pessoa do singular - ELE/ ELA - seu, sua, seus, suas
1a pessoa do plural - NÓS - nosso, nossa, nossos, nossas
2a pessoa do plural - VÓS - vosso, vossa, vossos, vossas
3a pessoa do plural - ELES / ELAS - seu, sua, seus, suas

Emprego dos Pronomes Possessivos

1. Os pronomes possessivos concordam em gênero e número com a coisa possuída, mas em pessoa com o possuidor.

Elisabete chegou com seu filho.
Elisabete chegou com suas filhas.
Elisabete chegou com nossos filhos.
Elisabete chegou com minha filha.

2. Os pronomes pessoais me, te, nos, vos, lhe podem aparecer indicando posse, embelezando o estilo.
Rasgaram-me a camisa. = Rasgaram a minha camisa.
Roubaram-nos o dinheiro. = Roubaram o nosso dinheiro.

3. O possessivo seu (e variações) pode causar ambiguidade de sentido.

Manuel foi ao cinema com sua mãe.
(Mãe de Manuel ou mãe da pessoa com quem se está falando?)
Para evitar o duplo sentido, usam-se as formas: dele (e variações, de você ou do senhor.
Manuel foi ao cinema com a mãe dele.

4. O possessivo pode não indicar posse, mas afeto, cortesia, respeito.
Meu caro amigo, acalme-se! / Sente-se, minha senhora!

5. SEU, nas expressões seu José, seu Luiz, é redução de SENHOR (pronome de tratamento e não possessivo). Há casos em que seu ou sua (e variações) denotam descortesia:
Quem você pensa que é, sua imbecil?
Seu cafajeste de uma figa!


Exercícios

1. Substitua o elemento que dá idéia de posse por um pronome oblíquo.

a) Não levaram a minha bolsa porque eu estava atento.
b) Os netos tocavam de leve sua face, em sinal de carinho.
c) Ninguém haverá de calar a nossa voz.
d) O filho poupou a seus pais mais um grande desgosto.
e) A ventania quase que arranca a tua peruca.
f) Quase que a onda arrancou os xortes das crianças.
g) Um marmanjo tomou o pirulito das mãos de uma criança.
h) A fama subiu à cabeça deles, o que afetou a sua simpatia.

2. complete com os pronomes possessivos adequados.

a) Você já tirou ___ conclusões?
b) Já tiraste ____ conclusões?
c) Você deve zelar pelo que é ____.
d) Deves zelar pelo que é _____.
e) Estou muito interessado em conhecê-la melhor: fale-me de ___ vida, de ___ hábitos, de ___ manias, de _____ predileções e de ____ aversões.
f) Estou muito interessado em te conhecer melhor: fale-me de ___ vida, de ___ hábitos, de ____ manias, de ___ predileções e de ____ aversões.
g) Não me venha com ____ costumeiras reclamações.
h) Não comeces com ____ lamúrias.
i) Evite ser muito áspero em ___ recriminações.
j) Evita ser muito áspero em ___ recriminações.


3. Explique os possíveis sentidos da frase: “Marcelo, o guarda prendeu o ladrão em seu carro.”

Pronomes Demonstrativos

Este rosto guarda ainda as lembranças daqueles tempos
que se eternizaram em nossas memórias.
Tudo aquilo que passamos juntos jamais será esquecido.

Pronomes demonstrativos são aqueles que situam os seres no tempo e no espaço em relação às pessoas do discurso.

1a pessoa - este, esta, estes, estas, isto
2a pessoa - esse, essa, esses, essas, isso
3a pessoa
- aquele, aquela, aqueles, aquelas, aquilo

Os demonstrativos, além de localizarem um ser no espaço, também são empregados para situar elementos no contexto linguístico e no tempo.

ESTE, ESTA, ESTES, ESTAS, ISTO

No espaço: indicam o que está perto de quem fala: Este livro que está comigo foi publicado há tempos.

No contexto: referem-se a algo que vai ser mencionado mais adiante: Ela só nos pediu isto: compreensão e apoio.

No tempo: indicam um tempo presente, atual: O mundo está passando por profundas transformações. Este é um tempo que muitos não pensavam chegar tão cedo.


ESSE, ESSA, ESSES, ESSAS, ISSO

No espaço: indica o que está perto de quem ouve: Esse livro que está com você é ótimo.

No contexto: referem-se a algo que já foi mencionado: Compreensão e apoio; ela só nos pediu isso.

No tempo: indicam um tempo passado ou futuro, mas não muito distante: A seleção brasileira jogará no Chile nesse final de semana.


AQUELE, AQUELA, AQUELES, AQUELAS, AQUILO

No espaço: indicam o que está longe de quem fala e também longe de quem ouve: O que é aquilo lá no fim da rua?

No contexto: são usados conjuntamente com os pronomes este(s), esta(s), para fazer referência a elementos já citados. Assim:
- aquele (e variações) – refere-se ao elemento citado primeiro;
- este (e variações) – refere-se ao elemento citado por último.

Brasil e Uruguai são dois países sul-americanos. Aquele foi colonizado pelos portugueses; este, pelos espanhóis.

No tempo: indicam um tempo distante, remoto: Mudei para cá há vinte anos. Naquela época aqui não havia escola, nem hospital, nem estrada asfaltada.


OBS.: As palavras o, próprio, simples, tal e suas variações, quando empregados como equivalentes de um pronome demonstrativo, serão como tais classificadas.

Nem tudo o que reluz é ouro. (aquilo)
O que tem muitos vícios tem muitos mestres. (aquele)
Tal absurdo eu não iria cometer. (esse)
Ela não disse tal.(isso)
Nunca vi semelhante coisa.
Maria mesma costurava seus vestidos.

Exercícios

1. Complete os espaços com um pronome demonstrativo.

a) ____ guaraná que você está tomando é bom, Isabel?
b) Não, _____ guaraná que estou tomando não é bom.
c) Marisa, vá buscar-me ____ xerox que deixei lá.
d) Lurdes queria ver _____ alface que está na geladeira.
e) Antonio convidou Maria e Luiz para ir ao cinema: ___ aceitou o convite, apressado; ____ recusou, séria.
f) Há dez anos começava a guerra, mas ___ época ninguém poderia supor que ganharia tamanhas proporções.
g) “Amai-vos uns aos outros”, _____ são as palavras de Cristo.
h) São ____ as palavras de Cristo: “Amai-vos uns aos outros.”
i) ____ vida nos reserva muitas surpresas.
j) ____ livro que está comigo é um romance.
k) _____ livro que está com você também é um romance?
l) Roma e Viena são belas cidades: ___ é a capital da Áustria; ____, da Itália.
m) _____ que está nas mãos do professor é um livro.
n) _____ são as minhas aspirações: entrar na faculdade e conseguir um bom emprego.


2. Faça a contração da preposição com o pronome demonstrativo.

a) Estávamos muito longe de este lugar.
b) Eles foram encontrados em aquela cidade.
c) Duvido de isto.
d) Não creio em aquilo.
e) Ficamos algum tempo em aquele lugar.


3. “- Depois daquele dia, ninguém mais viu o mascate. Aquilo é um ser sem destino, seu coronel.”

a) Explique qual foi a intenção do falante ao usar o demonstrativo aquilo para se referir ao mascate?


b) A forma seu é um pronome possessivo? Explique.


Pronomes Indefinidos

“Certas palavras não podem ser ditas
em qualquer lugar e hora qualquer.”
(Carlos Drummond de Andrade)

Pronomes indefinidos são aqueles que se referem de modo vago ou impreciso à 3a pessoa do discurso.

algum(uns), alguma(s)
nenhum(uns), nenhuma(s)
todo(s), toda(s)
outro(s), outra(s)
muito(s), muita(s)
pouco(s), pouca(s)
certo(s), certa(s)
tanto(s), tanta(s)
quanto(s), quanta(s)
qualquer, quaisquer
um, uma, uns, umas
alguém
ninguém
tudo
outrem
nada
cada
algo
mais
menos
Locuções pronominais indefinidas
cada um
qualquer um
todo aquele que
um ou outro
seja quem for

Principais empregos dos pronomes indefinidos


ALGUM, ALGUNS, ALGUMA, ALGUMAS

a) Quando empregados antes do substantivo, têm valor afirmativo: Algum amigo irá visitá-lo no hospital.

b) Quando empregados depois do substantivo, têm valor negativo: Amigo algum irá visitá-lo no hospital. (nenhum amigo)


TODO, TODA, TODOS, TODAS

a) No plural, indicam a totalidade: Todos os candidatos compareceram.

b) No singular e sem artigo, significam qualquer ou cada: Na nossa opinião, toda fazenda deve ser cultivada. (todas as fazendas, qualquer)

c) No singular e com artigo, significam inteiro(a), tendo, portanto, valor de adjetivo: Toda a fazenda deve ser cultivada. (a fazenda inteira).


Exercícios

1. Identifique os pronomes e as locuções pronominais indefinidos, classificando-os em substantivos ou adjetivos.

a) “Quem diz que de muitos gosta, quem diz que a muitos quer bem, finge carinho a todos, não gosta de ninguém.”

b) Quando todo mundo é alguém, aí nenhum é ninguém.

c) Devemos combater todos os nossos defeitos e não pactuar com nenhum.

d) Todos precisam uns dos outros.

e) Fulano matou, Sicrano roubou: os dois sofrerão o castigo de seus crimes.

f) “Nada é tão estúpido como vencer; a verdadeira glória é convencer.”

g) “Todos apreciam e admiram a simplicidade, poucos a adotam; ninguém a inveja.”

h) “A violência não deixa de ter alguma parentela com o medo.”


2. Faça as modificações necessárias quanto ao emprego dos pronomes indefinidos.

a) Estarei a seu lado até o fim, qualquer que sejam as consequências.
b) Toda cidade possui nome, toda cidade possui casas.
c) Toda cidade ficou às escuras: não se via luz em bairro nenhum.

3. Marque as frases que apresentam pronomes indefinidos.
a) Notou-se nele um certo ar de desprezo.
b) Quero saber a hora certa.
c) Na certa ninguém viu o cometa.
d) O cometa só poderá ser visto em hora certa.
e) A certa altura, surge o cometa nos céus.

4. Explique a diferença de sentido entre:
a) Ele trabalha no sítio todo dia.
b) Ele trabalha no sítio todo o dia.


Pronomes Interrogativos

“Quem toca piano sob a chuva,
na tarde turva e despovoada?
De que antiga, límpida música
recebo a lembrança apagada?”
(Cecília Meireles)

São os indefinidos que, quem, qual e quanto, usados em frases interrogativas diretas (iniciadas por palavra interrogativa e terminadas por ponto de interrogação) e indiretas (não iniciadas por palavra interrogativa e terminadas por ponto final).

Quanto tempo você vai ficar lá?

Diga-me quanto tempo você vai ficar lá.

“As relações são tudo na vida. Um homem que não vale nada, existe apenas em virtude dos que o circundam. Quem se ocuparia dos dois ladrões se não fossem colocados ao lado de Jesus Cristo?”

Ignoro quem se ocuparia dos dois ladrões se não fossem colocados ao lado de Jesus Cristo.

OBS.: O elemento CADÊ e as variantes CADE, QUÉDE e QUEDÊ são corruptelas da expressão QUE É DE, que traz o particípio feito subentendido.
Cadê meus óculos?
Que é de meus óculos?
Que é feito de meus óculos?

Exercícios

1. Complete com o pronome interrogativo adequado.

a) ____ está aí? ____ pretendes?
b) ____ são vocês?
c) A ____ entregaremos isso?
d) Por ____ seremos recebidos?
e) Por ____ estrada iremos?
f) Por ____ time torces?
g) ___ horas são?
h) Perguntei-lhe ____ fez isso.
i) Veja ____ horas são.
j) Quero saber ____ ganhas na empresa.

Pronomes Relativos

Todos fotografaram o casarão. O casarão seria demolido.
Todos fotografaram o casarão que seria demolido.

Pronomes relativos são aqueles que retomam um substantivo (ou um outro pronome) já citado numa oração, substituindo-o no início da oração seguinte.

o/a qual, os/as quais
cujo(s), cuja(s)
quanto(s), quanta(s)
que
quem
onde / aonde

Os pronomes relativos, assim como as conjunções, recebem o nome genérico de conectivos, por serem elementos de ligação.
Emprego dos pronomes relativos

QUE – pode retomar palavras que nomeiam pessoas ou coisas e também pode se referir aos pronomes demonstrativos o, a, os, as.
O rapaz que chegou agora é nosso vizinho.
Minha alegria, que já era grande, aumentou.
Eu quero saber o que você fazia lá.

QUEM – é usado exclusivamente para retomar palavras que designam pessoas.
Hoje é você quem paga a conta.
Todos admiram a aluna com quem você conversava.

CUJO, CUJA, CUJOS, CUJAS – são usados entre dois substantivos, estabelecendo entre eles uma idéia de posse.
Esse é o lavrador cujo celeiro desabou com o temporal.
Discutiremos um problema cujas causas são complexas.

ONDE, AONDE – sempre indicam lugar, porém têm empregos diferentes:

Onde – indica lugar em que: Conheço a cidade onde você nasceu.

Aonde – indica lugar a que: Conheço a cidade aonde você irá amanhã.


Exercícios

1. Complete com o pronome relativo adequado.

a) O livro ____ estou lendo é de Carlos Drummond de Andrade.
b) Aquela senhora, ____ marido é advogado, é atenciosa.
c) Aquele senhor, ____ mulher é médica, é muito doente.
d) Aquele homem, ____ filhos acabam de se formar, vive feliz.
e) Essa é a pessoa de ____ eu mais gosto.
f) Aquele é o doce de _____ eu mais gosto.
g) Confessou-se culpado à mulher, perante ____ chorou.
h) Chegamos à ilha por detrás __ _____ fica salvador.
i) Oxigênio é uma substância sem ____ não podemos viver.
j) Não tenho nenhuma pessoa para _____ apelar.
k) Aquelas foram as pessoas com ____ você conversou?
l) Ana Paula é a mulher com ____ casei e ____ amo muito.
m) Esse é o homem ___ vi na festa e __ ____ cumprimentei.

2. Junte as duas frases, utilizando o pronome relativo que de modo a formar uma só.
a) O livro é de suspense. Estou lendo um livro de suspense.
b) O filme é excelente. Vi o filme ontem.
c) A estrada foi toda recapeada. O governador construiu a estrada no século passado.
d) A garota ama o namorado. O namorado não trabalha nem estuda.
e) A garota ama o namorado. A garota foi paquerada por você.

3. Faça o mesmo, utilizando o pronome relativo cujo e suas variações.
a) As árvores são velhas. As folhas das árvores estão caindo.
b) Os edifícios são financiados pela Caixa Econômica. A construção dos edifícios foi demorada.
c) A menina teve um acesso de nervos. O pai da menina morreu.
d) As escolas estão conservadas. Os diretores das escolas são competentes.

4. Relacione:
A – pronome relativo;
B – pronome interrogativo;
C – p. indefinido.

a) ( ) Não me lembro de qual das duas garotas vieram.
b) ( ) Que dias maravilhosos passei ao lado dela!
c) ( ) Não sei que tipo de brincadeiras preferiam.
d) ( ) Ignoro completamente quem fez isso.
e) ( )Andréia era a garota com quem eu mais brincava.
f) ( )Quem era minha maior paixão? Rosa.


O Advérbio

Procuramos chegar bem cedo ao encontro, pois sabíamos que ela acordava sempre de manhã.
Logo que chegamos, fomos muito bem recebidos e conseguimos, rapidamente, esclarecer todas as dúvidas.

Os advérbios “são palavras modificadoras do verbo. Servem para expressar as várias circunstâncias que cercam a significação verbal.

Alguns advérbios, chamados de intensidade, podem também prender-se a adjetivos, ou a outros advérbios, para indicar-lhes o grau.” (Rocha Lima)

Locução adverbial é toda expressão formada por mais de uma palavra e que funciona como advérbio.

CLASSIFICAÇÃO E PRINCIPAIS EXEMPLOS

Lugar - lá, aqui, acima, por fora,...
Aqui somos felizes.

Modo - bem, mal, assim, às pressas,..
Saiu às pressas para a escola.

Dúvida - talvez, possivelmente, acaso..
Talvez ela volte hoje.

Negação - não, de modo algum, ...
De modo algum irei lá.

Afirmação - sim, realmente, com certeza..
Realmente eles sumiram.

Intensidade - muito, demais, pouco, tão,...
Nós estudamos muito.

Tempo - agora, hoje, sempre, logo, ...
Viajaremos hoje.

OBS.: Palavras que muitos classificam como advérbios são, na verdade, denotativas, o que abordaremos no último capítulo desta apostila.

QUANDO, COMO, ONDE e POR QUE são, respectivamente, advérbios interrogativos de tempo, modo, lugar e causa, podendo aparecer em orações interrogativas diretas ou indiretas.

Quando voltamos?
Ninguém soube me responder quando voltaremos.

ADJETIVOS ADVERBIALIZADOS – são aqueles que substituem advérbios terminados em –mente e, por isso mesmo, mantêm-se invariáveis.

Falem baixo!
Transcreveu a carta errado.

OBS.: Não se deve confundir o emprego do advérbio DEMAIS com o emprego da locução adjetiva de mais. DEMAIS modifica verbo ou adjetivo; de mais modifica nome: Trabalhei demais. – Isto ficou seco demais. – Ela é linda demais. – Deram-me dinheiro de mais. – Não houve nada de mais. – Isto já é de mais.

Emprego do Advérbio

1. Aparecendo, na frase, vários advérbios terminados em mente, apenas o último recebe o sufixo.
O Brasil está crescendo econômica, política e tecnologicamente.

2. Melhor e pior são comparativos adverbiais quando modificam verbo; quando modificam substantivo, são comparativos adjetivos.
Advérbios: falar melhor; jogar pior;
Adjetivos: auditório melhor; povo pior.

3. A idéia superlativa adverbial também se consegue com a repetição da forma adverbial.
Volto já, já.
Chegaremos logo, logo.

4. PRIMEIRO, ao modificar verbo, é advérbio e não numeral: Cheguei primeiro.


Exercícios

1. Complete com demais ou de mais.
a) Não havia nada _____ em beijá-la ali.
b) Você ganha ____! Isso que você ganha não é ____ para você?
c) Dinheiro nunca é _____.
d) Falou ____, por isso ficou agitado ______.
e) Empréstimo compulsório outra vez? Isso já é _____!

2. Identifique as frases que apresentam adjetivos adverbializados.
a) As mulheres ganharam dos homens disparado!
b) Vocês falam grosso, mas na hora de mostrarem coragem....
c) A professora saiu séria da sala.
d) A professora falou sério, não falou brincando não.

3. Complete com um advérbio ou com uma locução adverbial.
a) _________ se vai ao longe.
b) ___________ a galinha enche o papo.
c) Antes chegar ______ do que não chegar.

4. Substitua as expressões sublinhadas por advérbios equivalentes.
a) O líquido escorria pouco a pouco.
b) Só os levianos falam sem refletir.
c) Fizeram isso de propósito.
d) Tudo se consegue com paciência.
e) Encontrei-o por acaso.
f) Sempre o ajudarei com prazer.
g) Chegávamos sempre com pontualidade.
h) Você agiu com precipitação.

5. Classifique melhor e pior como advérbio ou adjetivo.
a) Conheço isso melhor que vocês.
b) Vocês estudaram isso pior que eu.
c) Ela é muito melhor que você.
d) Vocês sempre foram piores que eles.
e) Essa fruta é pior que aquela.
f) Tudo é pior quando se vê melhor.
g) Não há nada melhor que um dia após o outro.
h) Viva em paz, que você terá vida melhor.

6. Sublinhe e classifique os advérbios.
a) Fiz tudo muito calmamente: devagar se chega mais depressa.
b) As ilusões andam sempre na frente e as desilusões atrás.
c) Uns comem pouco, outros comem demais.
d) Amiúde vemos pessoas que falam bem e agem mal.
e) Como se faz para se obter água bem limpa?
f) Sentiu-se extraordinariamente forte.
g) A cidade hoje é bem diferente do que foi outrora.

7. Indique se as palavras destacadas classificam-se como adjetivo ou advébio. Justifique suas respostas.
a) “Quando o poeta aparece / Sacha levanta os olhos claros.”
b) O deputado falou claro sobre o assunto.
c) Na manhã azul, um pássaro solitário voava alto.
d) “Perdi o bonde e a esperança / volto pálido para casa.”
e) “Jacqueline morta era mais bonita que os anjos.”
f) “A serenidade voltou de muito longe.”
g) A seleção retornou ontem vitoriosa.

Preposição

Li um livro sobre o carnaval
De um escritor que mora em Salvador.

Preposição é a palavra invariável que relaciona duas outras palavras, estabelecendo entre elas determinadas relações de sentido e de dependência.

As preposições podem ser:

ESSENCIAIS – palavras que funcionam exclusivamente como preposições (exigem os pronomes pessoais nas formas oblíquas): a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás.
Ela não vive sem mim.
Sempre houve sinceridade entre mim e ti.


ACIDENTAIS – palavras que eventualmente exercem o papel de preposição(exigem os pronomes pessoais na forma reta): afora,, fora, como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos, salvo, segundo, tirante, visto, etc.
Afora eu todos aqui são estrangeiros.
Todos concordaram, menos eu.


Locução prepositiva é o conjunto de duas ou mais palavras (sempre terminando com preposição) com valor de preposição: a fim de, além de, antes de, depois de, ao invés de, em que pese a, à custa de, em via de, à volta com, a expensas de, defronte de, a par de, através de, etc.

COMBINAÇÃO – é a união da preposição a com o artigo o, ou com o advérbio onde, não havendo perda fonética: ao, aos, aonde.

CONTRAÇÃO – é a união de uma preposição com outra palavra, havendo perda fonética ou transformação de fonema: de + o = do; em + a = na; per + o = pelo; em + isso = nisso; de + aquele = daquele.

CRASE – é a fusão de vogais idênticas; trata-se de um caso especial de contração: à (preposição a + artigo a); àquilo (preposição a + 1a vogal de aquilo).


Relações estabelecidas pelas preposições

Causa ou motivo
Acordou aos gritos.
Assustou-se com o trovão.
Foi preso por vadiagem.

Conformidade
Puxou ao pai.
Tocava pela partitura.

Companhia
Passeamos com os amigos.

Concessão
Com mais de 80 anos, ainda tem planos para o futuro.

Instrumento
Abriu a porta com a chave.
Apanhou de chicote.

Matéria
Vinho se faz com uva.
Corrente de ouro.

Modo
Era tratada com carinho.
Saía em turma.

Oposição
Remava contra a maré.
Jogava com (contra) os ingleses.

Referência
Comigo sempre foi assim.
Para mim, ele está mentindo.

Direção
Olhava contra o sol.
Foi sobre o adversário.

Assunto
Falar de futebol.
Conversavam sobre política.

Conteúdo
Xícara de café.

Definição
Era uma pessoa de coragem.

Dimensão
Mora num prédio de dois andares.

Finalidade
Comprou um automóvel de passeio.
Nasceu para o trabalho.
Meio
Viajou de trem.
Pagou em cheque.

Lugar
Veio de Madri. (origem)
Dormiu desde até aqui.
Ficamos em casa.
Estamos entre os aprovados.

Posse
Aquela casa é de Luís.

Preço
Comprei um caderno de um real.
Vendeu a mercadoria pelo custo.

Qualidade
Comprou um artigo de primeira.
Votou em branco.

Semelhança /comparação
Tinha olhos de gata.

Tempo
Dormia de dia.
Desde ontem estou assim.
Estarei lá pelo Natal.

Limitação
Nunca fui bom em Matemática.

Sucessão
De grão em grão a galinha enche o papo.

Substituição
Deixou o certo pelo duvidoso.

Exercícios

1. Indique o valor das relações estabelecidas pelas preposições.

a) Falei com dificuldade sobre o televisor em cores que veio de Manaus.
b) Morreu de frio porque morava numa casa de madeira em pleno bosque.
c) “O homem morre como nasce: sem cabelos, sem dentes, e sem ilusões.”
d) “A juventude tem um sono tranquilo sobre qualquer travesseiro.”
e) Saíram bem cedinho para pescar.
f) Redigiu os artigos a lápis.
g) Comprou um relógio de ouro na loja do amigo.
h) Agiu contra todos.
i) Viajamos de ônibus para o Paraguai.
j) Foi passear a cavalo com o amigo, no parque, pela manhã.
Conjunção

As horas passam, os homens caem, a poesia fica.

As horas passam e os homens caem, mas a poesia fica.

Conjunção “é a expressão que liga orações ou, dentro da mesma oração, palavras que tenham o mesmo valor ou função.”(Evanildo Bechara)

CONJUNÇÕES COORDENATIVAS – ligam orações ou termos da oração sintaticamente independentes.
A Lua representa o pensamento criativo, e o Sol representa o pensamento racional.
A Lua e o Sol são astros visíveis a olho nu.

As conjunções coordenativas podem ser:

1. Aditivas: idéia de soma, adição, acréscimo: e, nem, mas também, mas ainda, como(depois de não só), como, quanto(depois de tanto).
Não te enfades nem desanimes.
Tanto advogo quanto ensino.

2. Adversativas: ressalva de pensamentos, oposição, retificação, restrição, compensação, advertência ou contraste: mas, porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto, não obstante.
Luís trabalha muito, mas ganha pouco.
Foi ao baile, porém dançou pouco.

3. Alternativas: idéia de alternância, ligando pensamentos que se excluem: ou, ou...ou, ora...ora, quer...quer, já...já, umas vezes...outras vezes, talvez...talvez, seja...seja.
Nós existimos ou não existimos.
O dinheiro umas vezes traz felicidades, outras vezes traz desgraças.

4. Conclusivas: idéia de conclusão lógica: logo, portanto, por isso, por conseguinte, pois(depois de verbo), assim, então, em vista disso.
Trabalha muito, logo deve ganhar bem.
O carro quebrou, assim não foi possível viajar.

5. Explicativas: idéia de explicação, motivo, razão: porque, que, portanto, pois(antes de verbo).
Não chore, porque será pior. / Não se vá, pois sentirei sua falta.


CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS – são aquelas que ligam orações sintaticamente dependentes.
Espero que tudo termine bem.

As conjunções subordinativas podem ser:

1. Integrantes: introduzem as orações subordinadas que exercem funções substantivas, ou seja, funções de sujeito, objeto direto, objeto indireto, complemento nominal, predicativo e aposto: que (para afirmação precisa, certa) e se (para afirmação imprecisa, incerta).
É preciso que trabalhemos muito.
Não sei se isso é verdade.

2. Causais: iniciam orações subordinadas que exprimem a causa ou a justificativa daquilo que se declara na oração principal: porque, que, porquanto, pois, visto que, já que, uma vez que, como, se.
A menina chorou porque apanhou da mãe.
Como hoje é Natal, oremos.
Se Marisa gosta de você, por que não a procurar?

3. Comparativas: iniciam orações subordinadas que se constituem no segundo elemento de uma comparação: que, do que, qual, como, quanto, como, assim como.
No elogio há menos sinceridade que na crítica.
O filho nasceu tal qual o pai.

4. Concessivas: iniciam orações subordinadas que exprimem um fato contrário ao da oração principal, mas não suficiente para anulá-lo: embora, ainda que, mesmo que, se bem que, bem que, posto que, conquanto, apesar de que, por...que, sem que, que.
Foi à praia, embora estivesse chovendo.
Por pior que seu filho seja, não o critique.
Cem reais mais que eu ganhasse, já estaria satisfeito.

5. Condicionais: iniciam orações subordinadas que exprimem hipótese ou condição para que o fato da oração principal se realize ou não: se, caso, contanto que, salvo se, exceto se, desde que(com verbo no subjuntivo), a menos que, a não ser que, senão, sem que.
Se tudo correr bem, voltaremos amanhã.
O rapaz nada fazia, senão contar vantagens.

6. Conformativas: iniciam orações subordinadas que exprimem acordo, concordância, conformidade de um fato com outro: conforme, consoante, segundo, como, que.
Cada um colhe conforme semeia.
Que eu saiba, ela não é casada.

7. Consecutivas: iniciam orações subordinadas que exprimem a consequência ou o efeito do que se declara na oração principal: que, sem que, senão.
Ela me olha de forma que me deixa encabulado.
Naquele bairro ninguém saía de casa que não fosse assaltado.

8. Temporais: indicam orações subordinadas que dão idéia de tempo: quando, logo que, depois que, antes que, sempre que, desde que, até que, assim que, enquanto, mal, apenas, sem que.
Enquanto não se perde a cabeça, não está tudo perdido.
Morreu sem que pudesse conhecer o neto.

9. Finais: iniciam orações subordinadas que exprimem uma finalidade: para que, a fim de que, que, porque, de modo que, de forma que, de maneira que, de sorte que.
Deus fez a vida para que ela fosse vivida.
Viaja sempre à janela de modo que possa apreciar a paisagem.

10. Proporcionais: introduzem orações subordinadas que exprimem concomitância, simultaneidade: à proporção que, à medida que, ao passo que, quanto mais, quanto menos, quanto menor, quanto maior, quanto melhor, quanto pior.
Quanto mais conheço os homens, mais estimo os animais.
As criaturas são mais perfeitas à proporção que são mais capazes de amar.

LOCUÇÃO CONJUNTIVA: é o conjunto de duas ou mais palavras(sempre terminado com conjunção) com valor de conjunção: sem que, a fim de que, à medida que, logo que, etc.

Exercícios

1. Identifique e classifique as conjunções coordenativas.

a) “A boa árvore dá bom fruto; logo, pelos frutos se conhece a árvore.”
b) Não dês o dedo ao vilão, porque te tomará a mão.
c) Bate à outra porta, que esta não se abre!
d) O mexicano aprecia muito o futebol, mas sua maior paixão são as touradas.
e) Seus amigos não só nos ofenderam, como também nos ameaçaram.
f) O diretor não diz sim nem diz não.
g) Ou ficávamos quietos, ou morríamos.
h) Era noite, e a lua brilhava no céu sereno.
i) Já me sinto alegre, já me sinto muito triste.

2. Identifique e classifique as conjunções subordinativas.

a) Convém que acreditemos mais nas pessoas.
b) Veja se as crianças já estão dormindo.
c) Deve-se obedecer mais a Deus que aos homens.
d) À medida que avançava nos estudos, mais perseguição sofria.
e) Ninguém se julga tão velho, que não possa viver mais um ano.
f) Tanto morrem velhos como meninos.

3. Ligue os pensamentos dados, usando a conjunção coordenativa adequada.
a) Não duvide de nada. Neste mundo tudo é possível.
b) Vocês estudam. Deverão passar.
c) Cassilda não vai à praia. Cassilda não vai ao cinema.
d) Plante. O governo garante.
e) O espetáculo foi bem. Não agradou ao público.
f) Todos falam em eleições. Ninguém faz eleições.
g) Está fazendo frio. Levarei uma blusa.
h) As crianças brincam. As crianças brigam.
i) Ela ia viajar. Desistiu.
j) Pague-me hoje. Irei cobrá-lo amanhã.
k) O rapaz bebia. O rapaz comia.
l) Ninguém queria falar. Poderia vir castigo.

4. Indique a idéia que a conjunção (coordenativa ou subordinativa) transmite às orações por ela iniciadas.

a) a garota chorou porque não passou no vestibular.
b) A garota chorou, porque seus olhos estavam vermelhos.
c) A garota chorou, porque havia lágrimas em seus olhos.
d) A garota chorou porque lhe pisaram o calo.
e) A garota chorou porque acabou seu namoro.
f) A garota chorou porque o namorado lhe bateu.


Interjeição

“É uma espécie de grito com que traduzimos de modo vivo nos-as emoções.
A mesma reação emotiva pode ser expressa por mais de uma interjeição. Inversamente, uma só interjeição pode corresponder a sentimentos variados, e, até, opostos. O valor de cada forma interjectiva depende fundamentalmente do contexto e da entoação.” (Celso Cunha)

Classificação

Os principais tipos de interjeição são aqueles que exprimem:

1. Advertência:
Alerta!, Cuidado!, Calma!, Sentido!,
Atenção!, Devagar!, Olha!, Fogo!

2. Afugentamento: Fora!, Rua!, Saia!

3. Alegria: Ah!, Oh!, Olá!, Olé!, Eta!, Eita!

4. Alívio: Ufa!, Arre!, Também!

5. Animação: Coragem!, Avante!, Vamos!, Força!

6. Apelo ou chamamento: Alô!, Olá!, Psiu!, Hei!, Ô, Ó, Socorro!

7. Aplauso: Apoiado!, Bravo!, Viva!, Bis!

8. Aversão: Xi!, Ih!, Irra!, Credo!

9. Cessação: Alto!, Basta!, Chega!

10. Desejo: Oxalá!, Tomara!, Pudera!, Oh!, Viva!,

11. Dor: Ai!, Ui!

12. Espanto ou admiração:
Ué!, Uai!, Ochente!, Puxa!,
Quê!, Ah!, Oh!, Caramba!, Nossa!, Opa!, Virgem!,
Xi!, Terremoto!, Barrabás!, Saca-rolhas!, Barbaridade!

13. Impaciência: Hum!, Puxa!, Raios!

14. Incredulidade: Qual!, Ora!, Barbaridade!

15. Reprovação: Francamente!, Fiau!

16. Satisfação: Oba!, Opa!, Boa!, Upa!

17. Saudação: Salve!, Adeus!, Viva!

18. Silêncio: Psiu!, Silêncio!, Calma!

19. Terror ou medo: Uh!, Ui!, Fogo!, Credo!, Cruzes!, Barbaridade!

Nota: Qualquer palavra, quando proferida em tom exclamativo, torna-
se uma interjeição.

Substantivos: Cuidado!, Atenção!, Silêncio!, ...

Adjetivos: Boa!, Bravo!, Coitado!, Apoiado!, ...

Verbo: Viva!, Basta!, Chega!, Pudera!,...

Advérbios: Avante!, Fora!, Alerta!, ...

Obs.: Existem interjeições onomatopaicas, ou seja, que procuram reproduzir o som provocado por algum fenômeno:

Pum! Bumba! Catapimba! Catrapus! Zás! Tchim-bum!

As interjeições nada mais são que frases implícitas.

Ai! = Tenho dor!
Socorro! = Acudam-me!
Silêncio! = Fique quieto!
Atenção! = Esteja atento!

Assim, a rigor, a interjeição não faz parte das classes de palavras, muito embora seja classificada entre elas pela NGB.

Locução Interjetiva

É o conjunto de duas ou mais palavras com o valor de interjeição.

Ora bolas! Ai de mim!
Cruz credo! Pobre de mim!
Puxa vida! Que horror!
Meu Deus! Santo Deus!
Que esperança! Nossa senhora!
Muito obrigado! Virgem Maria!

Nota: Toda frase mais ou menos breve, proferida em tom exclamativo, torna-se, automaticamente, uma locução interjetiva, dispensando, assim, qualquer análise dos termos que a compõem.

Praza a Deus!
Macacos me mordam!
Valha-me Deus!
Raios te partam!
Deus o livre!
Quem me dera!

Obs.: A interjeição Oh! emprega-se quando há exclamação, admiração; a interjeição Ó emprega-se quando se chama alguém:
Oh! que bela garota!
Ó garota, vem cá!


Exercícios

1. Identifique as interjeições e as locuções interjetivas, classificando-as.

a) Bom dia, senhor!

b) Olá, como vão vocês?

c) Corram todos, meninos!

d) Saiam, minhas senhoras!

e) Boa Sorte, Jane!

f) Macacos me mordam, que mulher feia!

g) Xi! Morderam-me!

h) Benza-o Deus, que homem horrível!

i) Nossa senhora, quanta chuva!

j) Boas festas, querida!


2. Complete com OH! ou Ó, conforme o caso.

a) ___ meu amigo, ajude-me!
b) ___ teremos mais chuva!
c) ___ rapaz, não faça isso!
d) ___ Deus onde estás!
e) ___ quantas homenagens!


Exercícios: Classes de Palavras

1. Classifique as palavras destacadas.

a) Desde que o homem dominou a energia e passou a utilizá-la para
substituir e multiplicar sua força, a humanidade não parou de progredir.

b) Placa bacteriana é uma camada de bactérias quase invisível que libera ácidos e toxinas e se instala em todos os dentes junto à gengiva, sendo a maior causa da gengivite.

c) O pombo-correio é lembrado pelo encanto de transportar mensagens.

d) A banheira de hidromassagem é, atualmente, uma necessidade, pois ajuda a combater o estresse.

e) Israel, país do Oriente Médio, é do tamanho de Sergipe, o menor Estado do Brasil.

f) O primeiro presidente brasileiro, Marechal Deodoro da Fonseca, usava imponente barba.


g) Plantas ideais para serem colocadas no banheiro são as orquídeas.

h) O Sol dista cerca de oito minutos- luz da Terra.

i) Desde 1978, dez operários morreram em acidentes com robôs industriais, no Japão. De tão estranhos, alguns desses acidentes pareceram propositados.

j) Quando existir uma nave capaz de viajar rumo a outras galáxias, seus passageiros poderão ver fantásticos fenômenos e descobrir uma noção toda nova de tempo.


1. Analise os vocábulos destacados, de acordo com a categoria gramatical.

a) Nunca vi dia tão bonito!

b) Estou meio cansada.

c) Ontem visitei o Jardim zoológico. Há tempos que eu não ia lá.

d) Deu uma topada numa pedra e gritou: ai!

e) “Nessa solidão
sem ter alegria
o que me alivia
são meus tristes ais...”

f) Psiu! Não vê que o bebê está dormindo?


g) “Chove lá fora e aqui tá tanto frio...”

h) Ela me faz tão bem.

i) Dizem que tomar muito café faz mal à saúde.

j) O café que você coou está muito forte.

k) Está faltando apenas arrumar as malas.

l) Respondeu-lhe com um sonoro não.

m) Eu também não ouvi o que ele disse.

n) Isso não passa de mera coincidência.

o) Na próxima sexta-feira os professores terão que entregar as notas mensais.

p) João e Pedro começaram a trabalhar muito jovens. Agora, ambos estão aposentados.

q) Fico imaginando o que as outras pessoas estão pensando dele.

r) Nada do que você disser é verdade.


Palavras e locuções denotativas

Em português, segundo a Nomenclatura Gramatical Brasileira(NGB), as palavras se distribuem em dez classes. Existem, todavia, palavras e locuções que não se enquadram em nenhuma delas, já que não exprimem, na verdade, uma função sintática na oração, por terem essencialmente natureza afetiva, subjetiva. São as palavras e locuções denotativas. As mais freqüentes são as que indicam:

1. Adição

Além disso, senhores, não desejamos favores.
Chorou e ainda por cima gritou, esperneou...
A senhora não trabalhou e ainda reclama?
Demais, somos um país pobre.
Ademais, sempre lutei por essa causa.
Ela é, além de tudo, burra!
Era feia e baixinha e, quando acaba, burra!
Ficamos, além de tudo, horrorizados!

2. Adversidade

Mesmo chovendo muito, viajamos.
Fui trabalhar, ainda com muita febre.
Teve cãibras, mais assim mesmo ganhou a prova.

3. Afastamento

Vou embora daqui.
Muitos brasileiros estão preferindo ir embora.

4. Afirmação

A vida - é fato – começa aos quarenta.
Sim, devo, não nego, pago quando posso.
Com certeza você já sabe das minhas intenções.
Você está evidentemente blefando.
De fato, tudo não passou de um susto.
Lutou muito – é certo -, mas nada conseguiu.
Minha filha – é verdade – é um gênio!
A natureza está mesmo doente.
O presidente era, positivamente, um esportista.
- Você poderia me dar atenção?
Pois não!

5. Aproximação

Esse rapaz já é quase doutor.
O comércio praticamente não funcionou ontem.
Estaremos de volta lá pelas onze horas.
A mulher devia de ter uns duzentos anos.
Faz bem dois anos que não a vejo.
Daqui a salvador há mais ou menos dois mil quilômetros
Voltaremos a nos reunir aproximadamente às dez horas.
Gastaremos cerca de mil reais na festa.
Diz-se que Luis de Camões morreu por volta de 1640.

6. Coincidência

Logo eu fui ser o escolhido!
Bem você acabou sendo a vítima!
Justamente agora, que vou dormir, chegam visitas!
E, por cúmulo, naquele dia eu não podia desabafar com ela.
O pai dela chega justamente na hora do beijo!

7. Continuação

Bem, você quer que eu lhe responda a sua pergunta. Ora
eu não posso dar resposta à sua pergunta!
Ora, o acusado se diz o pai da criança; em sendo o pai
da criança, esta é sua filha.

8. Distribuição

Cada paixão no coração é, a princípio, como um mendi-
go; em seguida como um hóspede e, finalmente como o dono da casa. Não deveis abrir a porta de vossos corações ao primeiro pedinte.
Refletindo bem, pode se beber vinho por cinco motivos: primeiro, para se festejar algo; segundo, para calmar a sede; depois, para se evitar de ter sede após; em seguida, para se fazer honra ao bom vinho e, finalmente, por todos os motivos.


9. Exclusão

Ela olhou só para mim, apenas para mim, tão-somente
para mim.
A mulher vivia unicamente para o marido.
O governo brasileiro não nos ajuda sequer um minuto.
Peça-me tudo, menos isso.
Não bebo nada senão leite.
Estudem até a página cinqüenta, exclusive.
Todos naquela casa bebem, excerto o nenen.

10. Explicação

Admiro apenas duas coisas no mundo: a força física e a inteligência, isto é, as duas únicas formas de energia.
Toda palavra proparoxítona é acentuada. Por exemplo: álibi.
Compramos vários objetos, a saber: lápis, canetas, cadernos, etc.
A igreja brasileira é socialista, quer dizer, progressista.
Temos muito pensadores competentes. Como Paulo Freire.

11. Freqüência

Você. Sempre você!!!
Ela vivia dizendo que eu tinha outra mulher.Dizia isso de manhã, de tarde, de noite. Toda a hora!

12. Inclusão

Você também contra mim, Cristina?!
Até você, Brutos?!
Qualquer pessoa, mesmo o mais ignorante, entende isso!
Todos foram incompetentes, inclusive o presidente.

13. Negação

Você acha que ela é um bom partido. Qual nada rapaz!
Se ela voltou pra mim? Nada!
Que esperança! Ela não volta nunca mais!
Ela não me procurou nem eu tampouco a ela.


14. Precisão

Cheguei às oito horas em ponto.
O comércio fecha às dezoito horas exatamente.
Pagou aos funcionários precisamente no dia 10.
Ela me beijou mesmo aqui, na boca.

15. Realce

Elisa é quem manda em casa.
Eu é que sei onde eles estão.
Este pais lá tem jeito?
Estou curioso mas é de vê-la novamente.
Nossa língua tem lá suas dificuldades.
As crianças devem ter ficado com a avó, sei lá.
Que dias maravilhosos não passei em salvador.
Quanta traição não há num beijo!
Estou espantado mas é de ver tanta burrice!
Quanto não vale uma jóia dessas!
Vou-me embora sozinho.
O que não iriam dizer de mim?
Eu não disse que ia chover?
Quase que eu caio ali.
Que loucura que foi nessa viagem!
Quando todos pensam da mesma maneira, é porque nenhum pensa grande coisa.
Logicamente que eu não poderia ir com ela.
Veja só que ironia!
Bem que ela poderia casar comigo!
Você bem poderia me ajudar.

16. Restrição

Concordo com você, em parte.
Sua tese é relativamente bem arquitetada.
Vou apoiá-lo em termos.

17. Retificação

Foram assaltados por um mascarado, aliás, por dois.
Ele não está em casa, isto é, mudou-se daqui.
Filipe disse que já foi a Júpiter; não, a Plutão!
Vou viajar por estes dias, ou melhor, sábado.

18. Seleção

Gosto do Brasil, principalmente da Bahia.
Gosto dos brasileiros, mormente das baianas.
As brasileiras são lindas, sobretudo as cariocas.

19. Situação

Mas quem é essa pessoa que insiste em falar comigo?
Então, falando mal de mim, né?
Falsa modéstia... Mas se a modéstia é sempre falsa!
Se, afinal, me escolherem, eu aceito.
Vamos terminar dizendo que, em suma, tudo saiu bem.

Nota: Ao encontrar qualquer dessas palavras ou locuções numa oração, basta classificá-la como PALAVRA ou LOCUÇÃO DENOTATIVA de...


Exercícios

1. Classifique as palavras e locuções denotativas das frases a seguir.

a) Veja só que bobagem: ele está apaixonado!

b) Quase que o jacaré me apanha.

c) Desse jeito até eu faço.

d) As crianças devem ter ficado com a avó, sei lá.

e) O que não iriam dizer de mim, se eu andasse com ela?

f) Tudo, menos isso.

g) Você me pergunta se ela telefonou? Nada...

h) Bem, passemos a outro assunto.

i) Dor de amor, quando não passa, é porque o amor valeu.

j) Tudo na vida engana, até a glória.

k) Da família só elas duas subsistiam.

l) Às vezes interrompia-os apenas com um olhar.

m) Eu cá tenho mais medo do sol que dos leões.

n) Sinto que ela me escapa, ou melhor; que nunca me pertenceu.

o) De repente nasci, isto é, senti necessidade de escrever.

p) Desculpe-me... Mas sente-se mal?

q) Então conheceu o meu irmão?

r) Afinal, ela não tem culpa de ser tua irmã.


Exercícios de morfologia

1. Analise morfologicamente:

a) “O amor é um grande laço
um passo pr`uma armadilha
um lobo correndo em círculo
pra alimentar a matilha...”
(Djavan)

b) “O meu amor
tem um jeito manso que é só seu
e que me deixa louca
quando me beija a boca
a minha pele toda fica arrepiada
e me beija com calma e fundo
até minh`alma se sentir beijada.”
(Chico Buarque)

c) “De tudo que é nego torto
do mangue e do cais do porto
ela já foi namorada.
O seu corpo é dos errantes,
dos cegos, dos retirantes...
é de quem não tem mais nada...”

d) “Lua, espada nua, bóia no céu
imensa e amarela
tão redonda a lua
como flutua
vem navegando o azul do firmamento,
e no silêncio lento
um trovador cheio de estrelas.”
(Tom Jobim)

e) AULA DE PORTUGUÊS

A linguagem
na pontas da língua
tão fácil de falar
e de entender.

A linguagem
na superfície estrelada de letras,
sabe lá o que ela quer dizer?

Professor Carlos Góis, ele é quem sabe,
e vai desmatando
o amazonas de minha ignorância.
Figuras de gramática, esquipáticas,
atropelam-me, aturdem-me, sequestram-me.

Já esqueci a língua em que comia,
em que pedia para ir lá fora.
em que levava e dava pontapé,
a língua, breve língua entrecortada
do namoro com a prima.
O português são dois; o outro, mistério.
(Drummond)






































3 comentários: